quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Lição 4 – Esteja Alerta e Vigilante, Jesus Voltará

SUBSÍDIO PARA A ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL.

1º Trimestre/2016

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Lucas 17.24-30.

TEXTO ÁUREO: “Porque, como o relâmpago ilumina desde uma extremidade inferior do céu até à outra extremidade, assim será também o Filho do homem no seu dia.” (Lc 17.24)

INTRODUÇÃO

O arrebatamento será numa rapidez tão fulminante que Ele compara ao relâmpago que fuzila de um lado para outro. E também alerta para o fato de que, será inesperada, como ladrão que não diz quando irá atacar. Esteja alerta e vigilante, Jesus em breve vem.

1. A VINDA DE JESUS SERÁ REPENTINA

1. Como um relâmpago. Sabemos quão grande é a velocidade de um relâmpago. Impossível ficar observando. É muito rápido, como numa explosão. Jesus prometeu que viria outra vez e nos levaria com Ele (Jo 14.3). Virá numa rapidez de um relâmpago: “como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do homem” (Mateus 24.27).

2. Como um ladrão. O ladrão está sempre nos observando, esperando uma oportunidade para atacar. Muitos colocam equipamentos de seguranças em suas residências, prevenindo-se contra o ladrão. Jesus disse: “se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa” (Mateus 24.43). Podemos até sentimo-nos seguros e dormimos tranquilos, mas ao acordarmos, perceberemos que nossa casa foi invadida pelo ladrão. Precisamos assegurar nossas vidas para não sermos surpreendidos com a chegada de Jesus como ladrão (surpresa).

3. Ninguém sabe a hora. “Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai” (Mt 24.36). Sendo assim, devemos observar três conselhos: “Olhai, vigiai e orai, porque não sabeis quando chegará o tempo” (Mc 13.33). Vejamos, a seguir, o por quê da ênfase que Jesus empregou nesta ordem escatológica.
1. Olhai. Este imperativo leva o crente a olhar para todos os acontecimentos que, nestes últimos dias, estão marcando a Igreja de Cristo e a História Universal. Por conseguinte, “quando essas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai a vossa cabeça, porque a vossa redenção está próxima” (Lc 21.28). Contemplemos os sinais não com espanto e medo; contemplemo-los com pleno regozijo; afinal, estão eles a assinalar-nos de que breve Jesus voltará.
2. Vigiai. Como já vimos acima, o vigiar diz respeito à nossa conduta e ao nosso andar como discípulos de Cristo Jesus. Os que não vigiam, estão a agir como aqueles servos das parábolas do Senhor. Um resolveu enterrar o talento outro pôs-se a espancar os conservos; as néscias dormiram sem se aperceberem de azeite. E, assim, quando o Senhor voltou, encontrou todos desprevenidos. Está você vigiando? Ou acha que Jesus nunca nos chamará a prestar contas?
3. Orai. Como viver sem oração num mundo que, declaradamente, jaz no maligno? O apóstolo Paulo, ao discorrer sobre estes dias aos irmãos de Tessalônica, exortou-os: “Orai sem cessar” (1 Ts 5.17). Oremos, pois, em todo o tempo, a fim de que o Senhor nos leve a viver de vitória em vitória.

II. COMO FOI NOS DIAS DE NÓE

1. Comiam e bebiam. Esse sinal da volta de Jesus é muito mais evidente nos diz de hoje. Disse o sábio Salomão: “Eis aqui o que eu vi, uma boa e bela coisa: comer e beber, e gozar cada um do bem de todo o seu trabalho, em que trabalhou debaixo do sol, todos os dias de vida que Deus lhe deu, porque esta é a sua porção” (Ec 5.18). Comer e beber não é pecado, porém é condenável preocupar-se apenas com isso, e esquecer de Deus. Deus não estava mais presente na vida dos homens da época de Noé. Eles viviam como se não existisse Deus. Viviam sem Deus.

2. “Casavam e davam-se em casamento” (Lc 17.27). Deus disse: “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne” (Gn 2.24). Logo, entendemos que o Criador deseja que cada homem, ao chegar à idade própria, ele deve procure casar-se, ter um lar e uma família, ao lado de sua esposa. Todavia, as pessoas da era anterior ao dilúvio tinham uma única preocupação: “Queremos viver bem”, “Queremos aproveitar a vida”, “Queremos possuir tudo”, “Queremos experimentar tudo”. Toda a sua atenção estava centrada nas coisas deste mundo. Elas não se importavam com o fato de que Suas profecias poderiam se cumprir nem lembravam que a vida nesta terra não é tudo. Será que o mesmo não ocorre hoje? As pessoas estão esquecendo-se de Jesus por coisas efêmeras.

III – A CORRUPÇÃO GERAL NA TERRA

1. Toda a terra estava corrompida e violenta. Apesar das instâncias de Noé, seus contemporâneos, corrompiam-se de tal forma, que se tornaram totalmente depravados. Diz a Bíblia: “E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra” (Gn 6.12). Os excessos daquela gente redundaram numa geração truculenta e implacável. Os assassinos eram cultuados como heróis: “Havia naqueles dias gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus entraram às filhas dos homens e delas geraram filhos; estes eram os valentes que houve na antiguidade, os homens de fama” (Gn 6.4).

2. O juízo de Deus sobre a corrupção geral. Ao Senhor, não restou outra opção a não ser destruir toda aquela civilização: “Então disse Deus a Noé: O fim de toda a carne é vindo perante a minha face; porque a terra está cheia de violência; e eis que os desfarei com a terra” (Gn 6.13). A geração atual assemelha-se à de Noé. Apesar da pregação do Evangelho, a iniquidade multiplica-se de tal modo que chega a contaminar, inclusive, o amor dos fiéis (Mt 24.12).


IV – COMO FOI NOS DIAS DE LÓ

1. Dias de intensa corrupção. O casamento e a família não eram valorizados. Pedro diz que Deus “condenou à destruição as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza, e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente; E livrou o justo Ló, enfadado da vida dissoluta dos homens abomináveis” (2 Pe 2.6,7). Os moradores de Sodoma quiseram atacar a casa de Ló, para terem relações sexuais com os anjos (Gn 19.5), imaginando que seriam dois rapazes de boa aparência. Até os governantes de Sodoma eram homossexuais. Deus enviou três anjos, quando resolveu destruir as cidades de Sodoma e Gomorra.  

2. A corrupção mundial. Sem dúvida, tempo algum foi mais semelhante aos dias de Sodoma e Gomorra do que o nosso. Entretanto, com o juízo sobre Sodoma e Gomorra, Deus estava estabelecendo um exemplo para servir de alerta às pessoas que “venham a viver impiamente” no futuro. Mesmo que escarneçam e zombem, pensando que podem simplesmente tolerar o pecado, o juízo de Deus as alcançará como alcançou a população de Sodoma e Gomorra.  

3. A destruição da família. Nos dias de Noé, a depravação humana era global. Nos dias de Ló, certamente a corrupção aumentava, mas, de modo localizado. Sodoma, Gomorra e cidades vizinhas ultrapassaram os limites da longanimidade de Deus. Quando Deus mandou fogo dos céus, eles não conseguiram escapar. Todos foram mortos. “Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar” (Lc 17.29,30). A saída de Ló da área que seria devastada pelo cataclismo é uma figura do arrebatamento da Igreja. Deus só deu início à destruição quando Ló e sua família estavam em segurança.  

CONCLUSÃO

“Lembrai-vos da mulher de Ló” (Lc 17.32). Ló escapou com sua família, mas sua mulher teve saudade de Sodoma, olhou para trás e foi petrificada diante dos olhos do esposo e das filhas: “E a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida numa estátua de sal” (Gn 19.26). Que o Senhor Deus nos ajude a estamos alertas e vigilantes, pois Jesus breve vem.


REFERÊNCIAS:

ALMEIDA, Abraão de. Manual da Profecia Bíblica. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.
ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Vem o fim, o fim vem — A doutrina das últimas coisas. Lições Bíblicas, Rio de Janeiro, 4º trimestre, CPAD, 2004.
_____. O Começo de Todas as Coisas: Estudos sobre o Livro de Gênesis. Lições Bíblicas, Rio de Janeiro, 4º trimestre, CPAD, 2015.
ARRINGTON, French L. et STRONDSTAD, Roger.  Comentário Bíblico Pentecostal – Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.
BERGSTÉN, Eurico. A Doutrina das últimas coisas. Rio de Janeiro: CPAD, 1982.
Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
Bíblia de Estudo Palavras-Chave. Hebraico-Grego. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2005.
BOYER, Orlando. PEQUENA ENCICLOPÉDIA BÍBLICA. Estados Unidos da América: Editora Vida, 1998.
CABRAL, Elienai. Escatologia – O estudo das últimas coisas. Lições Bíblicas, Rio de Janeiro, 3º trimestre, CPAD, 1998.
Dicionário Barsa. São Paulo: Barsa Planeta, 2008.
GILBERTO, Antônio. Manual da Escola Bíblica Dominical. Rio de Janeiro: CPAD, 1997.
_____. O calendário da profecia. Rio de Janeiro: CPAD, 1985.
HENRY, Matthew. Comentário Bíblico – Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2008.
HORTON, Stanley M. Teologia Sistemática. Rio de Janeiro: CPAD, 1997.
LIETH, Norbert. O sermão profético de Jesus: uma interpretação de Mateus 24 e 25. Porto Alegre: Actual Edições, 2005.
RENOVATO, Elinaldo. O Final de Todas as Coisas: Esperança e glória para os salvos. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
_____. 1 e 2 Tessalonicenses. Rio de Janeiro: CPAD, 2005.
_____. O Final de Todas as Coisas: Esperança e glória para os salvos. Lições Bíblicas, Rio de Janeiro, 1º trimestre, CPAD, 2016.
RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
SILVA, Severino Pedro da. Escatologia, doutrina das últimas coisas. Rio de Janeiro: CPAD, 1988.