segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Lição 2 – Sinais que Antecedem a Volta de Cristo

SUBSÍDIO PARA A ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL.

1º Trimestre/2016

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE: Mateus 24.3-8, 11-14

TEXTO ÁUREO: “E , estando assentado no monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos, em particular, dizendo: Dize-nos quando serão essas coisas [...].” (Mt 24.3)

INTRODUÇÃO

“Dize-nos quando serão essas coisas e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo?” O texto de Mateus 24, mormente os primeiros 14 versículos, é uma profecia com abrangência histórica e escatológica. Em primeiro lugar, diz respeito a Israel e, depois, refere-se à Igreja. “Ora, quando essas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai a vossa cabeça, porque a vossa redenção está próxima” (Lc 21.28). Aleluia! Dentro em breve, virá o Senhor arrebatar a sua Igreja. E, assim, estaremos para sempre com Ele. Você está preparado para este grande dia? Que as nossas vestes estejam sempre brancas, e que jamais nos falte o óleo sobre a cabeça!

1. SINAIS NA VIDA DA IGREJA

1. Falsos cristos e falsos profetas. Nos quase dois mil anos de história do Cristianismo, centenas de falsos cristos (ou messias) têm aparecido e enganado a muita gente. Mateus 24.4 é uma admoestação contra os falsos sinais que seriam alardeados como se fossem os reais e verdadeiros. Diz o texto: “Acautelai-vos, que ninguém vos engane”. Indiscutivelmente, essa pessoa, além de presunçosa e não conhecedora das Escrituras, é falso profeta. Quais seriam os falsos alarmes ou sinais pelos quais não podemos nos deixar enganar? Desde o século XX as ondas do engano tornaram-se perceptivelmente mais forte. O crescimento das religiões orientais e seus gurus enganou e engana a muitos. “Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados” (2 Timóteo 3.13).

2. Apostasia. “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” (1 Tm 4.1). Apostasia no grego significa desvio, afastamento, abandono. Tem o sentindo também de revolta, rebelião, no sentido religioso. Numa definição clara, apostasia que dizer abandono consciente da fé. Em algumas denominações, há verdadeiro culto aos anjos, onde os pregadores iludem o auditório, dizendo estar vendo anjos, que o anjo chegou, que o anjo estar aqui e ali, visando atrair as atenções e o emocionalismo dos que não conhecem as Sagradas Escrituras. “Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão” (Mateus 24.10). Voltarão a cair em pecado, apostatarão da fé, afastar-se-ão do Senhor: isso diz respeito ao tempo da Grande Tribulação, quando acontecerá uma profunda divisão entre o povo judeu. Alguns farão aliança com o Anticristo, os outros reconhecerão o Messias. Mas o nosso tempo é caracterizado pela apostasia como nenhum outro.

3. “Doutrinas de demônios” (1Tm 4.1). “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos, apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” (1 Tm 4.1). Além da apostasia teológica e moral, o surgimento e expansão de doutrinas de demônios, por meio dos espíritos enganadores, tem sido umas das marcas deste presente século. O cristianismo está em decadência. Diz Paulo: “Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto.
Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus” (2 Co 4.3,4).
 

4. Perseguições aos crentes. “Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome” (Mateus 24.9). Mesmo que aqui se trate do tempo da Tribulação e do início das dores, este sinal igualmente tem seus prenúncios mais fortes. 20 cristãos morrem por dia, quase um a cada hora. Nos últimos dez anos, mais de 200 mil cristãos foram mortos em decorrência da perseguição religiosa.

5. O Estado de Israel. A parábola da figueira foi usada por Jesus para indicar as proximidades dos últimos dias. “Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo, às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas essas coisas aconteçam. O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar” (Mt 24.33-35 – grifo nosso). Os discípulos entenderam que Jesus se referia à sua geração, que vivia naquele tempo. Mas geração pode ser traduzida como etnia ou raça. Jesus dizia que os judeus seriam um sinal profético para os fins dos tempos.

6. Dois Tipos de Crentes. Os insensatos e os cautelosos. A parábola das Dez Virgens (Mt 15.1-13) nos dá uma mensagem de alerta. Essas duas classes são uma realidade espiritual na Igreja de Cristo. São identificadas por Jesus como loucas e prudentes. As loucas representam os cristãos insensatos e alienados espiritualmente. São aqueles cristãos que não agem racionalmente na sua vida de fé, por isso, não sabem o que estão fazendo. As prudentes representam os cristãos cautelosos e previdentes, que mantêm uma vida de vigilância e espiritualidade.

II. SINAIS NOS CÉUS DA VINDA DE CRISTO

1. Sinais do céu. Os discípulos não devem ter alcançado o que Jesus dizia sobre sinais do céu. Ainda hoje, intérpretes dos livros proféticos divergem quanto a essa profecia. “... e haverá, em vários lugares, grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu” (Lc 21.11 – grifo nosso). Notemos que o texto diz “sinais do céu” e não sinais “no céu”. Há quem ensine que se tratam dos objetos voadores não identificados (OVNIs), ou o aparecimento dos ETs, seres extraterrestres. Todavia, não devemos especular e muito menos doutrinar sobre coisas que não são reveladas. “As coisas encobertas pertencem ao Senhor nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei” (Dt 29.29).

2. Jesus fala de sinais e não de datas. Os que marcaram datas para a volta de Jesus Cristo, quebraram a cara, afinal, não sabemos o dia, muito menos a hora em que Cristo virá buscar sua Igreja (Mt 25.13).

III – GUERRAS, CONFLITOS E TERREMOTOS

1. Guerras e conflitos. No meio de seu sermão profético, Jesus previu que, antes de sua volta, para buscar sua Igreja, “se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares” (Mt 24.7). Nação contra nação. Tivemos duas grandes guerras mundiais. A primeira aconteceu de 1914 a 1918, e a segunda de 1939 a 1945. A destruição provocada por essas guerras mundiais é de mais de 69 milhões de mortes.

2. Terremotos. No século 20 até maio de 1997, já haviam ocorrido 96 grandes terremotos, hoje ultrapassa os 150. Esses terremotos teriam matado mais de 2 milhões de pessoas.

Poderíamos falar da fome e pestes:

Fome. 800 milhões de pessoas passam fome no mundo. 30 pessoas morrerem de fome por minuto. No mundo, a cada mês que passa, um milhão de crianças morrem de fome.

Pestes (epidemias). São doenças tais como: tuberculose, febre amarela, hepatite, alergias, doenças de pele, depressão (doença do século), AIDS, câncer etc. Essas doenças já mataram milhões de pessoas em todo o mundo.

IV – SINAIS NA VIDA MORAL

“Qualquer que comete o pecado também comete iniquidade, porque o pecado é iniquidade” (1 Jo 3.4). O pecado é iniquidade. E sua multiplicação, de forma desenfreada, é um dos sinais evidentes da proximidade do fim dos tempos, antes do arrebatamento da Igreja. “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará” (Mateus 24.12). Dostoievski disse: “Onde Deus não é mais respeitado, tudo é permitido”. Desde os anos 60 houve um rompimento com a ética cristã-bíblica. Não estão respeitando nem os espaços públicos para cometerem suas iniquidades. “... o amor de muitos esfriará” (Mateus 24.12). Quanto mais nos distanciamos de Deus, mais nos distanciamos do amor. Maridos e esposas sentem-se solitários, filhos crescem sem o cuidado de seus pais. O comportamento da sociedade é cada vez mais destituído de amor, cada vez mais agressivo.

1. O aborto. O esfriamento do amor materno, ou paterno, tem refletido no altíssimo número de abortos provocados em todo o mundo.

2. O suicídio. No Japão ocorrerem 25 mil suicídio a cada ano. Segundo informou a ONU em junho de 2003, o suicídio é a quarta causa de morte no planeta, onde a cada 40 segundos uma pessoa se mata. Fazendo do suicídio um sinal alarmante do fim dos tempos.

3. A violência urbana. Em todo o mundo, segundo revela a ONU, morrem 800 pessoas por dia em virtude de algum conflito violento.

4. O mundo erotizado. Um rio de propaganda de liberdade sexual está correndo, através da televisão, do rádio, de revistas, de livros, e de cinemas e, em vários países, corre sob a forma de ensino obrigatório nos estabelecimentos escolares. Que o Senhor nos guarde. Jesus vem muito breve. Guardemos alvas nossas vestes núpcias (Ap 19.6-8).

CONCLUSÃO

Não sabemos a data do arrebatamento da Igreja. De uma coisa, porém, temos absoluta certeza: Jesus não tarda sua voltar. Os sinais e as profecias estão a alertar-nos de que esse dia está mui próximo: “Olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim” (Mt 24.6). Alegremo-nos! Em breve, iremos ao encontro de Nosso Senhor! Você está preparado para este grande dia? Ainda há tempo para você achegar-se ao Senhor, e aguardar o seu retorno. Senhor Jesus, ajuda-nos a estar devidamente vigilantes. Que saibamos discernir os sinais, e interpretar corretamente os últimos acontecimentos desta era. Em teu nome, nós oramos. Amém!

REFERÊNCIAS:

ALMEIDA, Abraão de. Manual da Profecia Bíblica. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.
ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Vem o fim, o fim vem — A doutrina das últimas coisas. Lições Bíblicas, Rio de Janeiro, 4º trimestre, CPAD, 2004.
BERGSTÉN, Eurico. A Doutrina das últimas coisas. Rio de Janeiro: CPAD, 1982.
Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
Bíblia de Estudo Palavra Chave. Rio de Janeiro: CPAD.
Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2005.
BOYER, Orlando. PEQUENA ENCICLOPÉDIA BÍBLICA. Estados Unidos da América: Editora Vida, 1998.
CABRAL, Elienai. Escatologia – O estudo das últimas coisas. Lições Bíblicas, Rio de Janeiro, 3º trimestre, CPAD, 1998.
LIETH, Norbert. O sermão profético de Jesus: uma interpretação de Mateus 24 e 25. Porto Alegre: Actual Edições, 2005.
RENOVATO, Elinaldo. O Final de Todas as Coisas: Esperança e glória para os salvos. Rio de Janeiro: CPAD, 2015.
_____. 1 e 2 Tessalonicenses. Rio de Janeiro: CPAD, 2005.
_____. O Final de Todas as Coisas: Esperança e glória para os salvos. Lições Bíblicas, Rio de Janeiro, 1º trimestre, CPAD, 2016.
RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia: Uma análise de Gênesis a Apocalipse capítulo por capítulo. Rio de Janeiro: CPAD, 2012.
SILVA, Severino Pedro da. Escatologia, doutrina das últimas coisas. Rio de Janeiro: CPAD, 1988.